Santiago Fossatti, sócio do Kaszek Ventures (Divulgação)
Santiago Fossatti, sócio do Kaszek Ventures (Divulgação)

SÃO PAULO – Os criadores do gigante de comércio eletrônico Mercado Livre conquistaram mais um feito no mundo da inovação — agora, do outro lado do balcão. Seu fundo de capital de risco, o Kaszek Ventures, arrecadou US$ 1 bilhão para investir em startups pela América Latina.

Foi a maior rodada de captação já vista para um venture capital de estágio inicial na América Latina — fundos como o SoftBank Latin America Fund estão de olho em empreendimentos mais maduros. Ao todo, o Kaszek Ventures já captou mais de US$ 2 bilhões com investidores.

“Faz 22 anos desde que meus sócios foram parte da equipe que começou o Mercado Livre — e desde aquela época acreditamos que a tecnologia trará diversas oportunidades de resolver problemas estruturais da América Latina. Estamos olhando sempre para horizontes de longo prazo, e vemos o impacto da tecnologia tendendo a ser cada vez maior”, afirmou Santiago Fossatti, sócio do Kaszek Ventures, em entrevista ao Do Zero Ao Topo, marca de empreendedorismo do InfoMoney. Os fundos serão divididos entre apoiar 25 a 30 novas startups e participar de rodadas posteriores do portfólio atual do Kaszek.

recentes ofertas públicas de ações (IPOs) de startups como parte de um caminho de construir ao valor ao ecossistema de empreendedorismo. “Teremos vários IPOs no nosso portfólio nos próximos anos”, diz.

Um dos primeiros exemplos foi o próprio Mercado Livre – hoje com uma avaliação de US$ 67,5 bilhões na bolsa americana Nasdaq. “Mesmo depois de 20 anos, o Mercado Livre continua crescendo em ritmo acelerado. Temos atualmente outras companhias públicas em tecnologia com valuation relevante, como Stone e XP”, diz o sócio do Kaszek Ventures. “Todas as maiores empresas abertas dos Estados Unidos são de tecnologia, enquanto as tradicionais continuam no topo na bolsa brasileira e de outros países da América Latina. Então, acreditamos que a tecnologia ainda está no começo e somos otimistas quanto à sua expansão. E muitas das próximas empresas públicas de tecnologia serão financiadas primeiro por fundos de venture capital.”

Contexto favorável ao venture capital

A última captação do Kaszek Ventures havia sido em 2019. “Encontramos muitos projetos com potencial e empreendedores com experiência. Portanto, captamos fundos para continuar investindo”, diz Fossatti.

O momento é propício para os fundos de capital de risco. Uma combinação de efeitos da pandemia de Covid-19 e liquidez global levou a tecnologia a ganhar espaço entre os investidores. Assim, diversos fundos de venture capital e private equity conquistaram captações privadas em 2020 e no começo de 2021.

Mais arrecadações geram mais aportes em startups. A Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP) e a consultoria KPMG divulgaram dados de captação, investimentos e desinvestimentos dessas indústrias no país durante o primeiro trimestre de 2021. Os investimentos feitos por esses veículos atingiram R$ 10,71 bilhões no primeiro tri, alta de 88% sobre o primeiro trimestre de 2020. O investimento médio por empresa também cresceu. Em venture capital, foi de R$ 58 milhões para R$ 139,8 milhões.

Os investimentos em startups devem continuar em alta pelo resto de 2021 – e o Kaszek Ventures será um dos responsáveis.

Conheça o modelo de gestão que fez a XP crescer exponencialmente na última década, e como aplicá-lo no seu negócio. Assista à série Jornada Rumo ao Topo.



Fonte