Quem pratica corrida ou qualquer outro esporte sente no corpo e na mente a diferença. No corpo, a colheita dos benefícios é um investimento a longo prazo —uma maratona. Já na mente, é um sprint: o sentimento após o exercício, principalmente se aquela meta definida é cumprida, vem na hora.

Diversas pesquisas já comprovaram que a atividade física é benéfica para se manter saudável e aumentar o bem-estar. O que ainda é um certo mistério para os cientistas é como e por que se movimentar nos faz tão bem.

É para aprofundar nessas duas perguntas que uma iniciativa da marca japonesa Asics lançada nesta quarta-feira (2), Dia Mundial da Corrida, convida pessoas ao redor do globo para participar de uma grande pesquisa para mapear o impacto do esporte na saúde mental. O objetivo é alcançar um milhão de mentes até janeiro de 2022.

“A maioria das pesquisas até hoje foram feitas em meios muito artificiais, apenas indo a um laboratório ou a um scanner em um hospital, não é algo disponível para um grande número de pessoas”, afirma Brendon Stubbs, supervisor do estudo da Asics e pesquisador de exercícios e saúde mental no King’s College, em Londres.

“Portanto, a nossa compreensão dos mecanismos de por que a corrida e exercícios nos fazem sentir bem é limitada e, mais importante, como podemos medir isso.”

Para conseguir chegar à oferta de uma plataforma que possa ser usada em larga escala, duas fases do estudo foram realizadas em um grupo mais limitado de pessoas, tendo como foco a corrida.

Em uma primeira etapa, foram medidas as ondas cerebrais dos corredores por meio de um eletroencefalograma, cujos resultados são lidos por especialistas. Já na segunda, além dessa medição, um relatório com perguntas e um software de escaneamento facial foi usado para juntar a medição vista no exame com as respostas.

“Uma das coisas realmente empolgantes, que valida nossa abordagem com aplicativo daqui para frente e nos dá confiança para distribuir para mais de um milhão de pessoas, é a precisão da relação entre os dados do eletroencefalograma e o que capturamos no relatório pessoal e no escaneamento facial, que foi de 92$ a 94%”, explica Stubbs.

“Isso é muito alto e nos dá uma enorme confiança de que, quando as pessoas usarem a ferramenta, serão capazes de medir de maneira confiável e precisa o verdadeiro impacto da corrida e do esporte em sua saúde emocional e cognitiva.”

Apenas com as duas primeiras fases, o estudo já conseguiu medir diferenças importantes na saúde mental dos participantes. Segundo Stubbs, 20 minutos de corrida significaram um aumento de 13,4% no nível de alerta, de 15,9% no de sensação de calma, 13,3% no de relaxamento, 9,5% no de energia e 2,9% no de foco.

Outro ponto central da pesquisa em que os primeiros resultados são animadores, explica o pesquisador, é a diferença na melhora cognitiva e emocional com base na quantidade de exercício praticada —se é algo que apenas atletas de elite se beneficiam ou se aqueles que praticam cotidianamente ou mesmo abaixo do recomendável também colhem frutos.

Tanto atletas de elite quanto os amadores apresentaram uma melhora de 14,1% no aspecto cognitivo e 11% no emocional, mas o benefício maior foi visto naquelas pessoas que praticavam menos do indicado por instituições como a Organização Mundial da Saúde. Houve uma melhora de 30% nas medições cognitiva e emocional desses participantes.

Esse tipo de avaliação foi possível, pois praticantes de diferentes níveis foram avaliados nestas duas fases, algo que é buscado, em uma escala ainda maior, nesta terceira. A plataforma já está disponível, exigindo um mínimo de 20 minutos de atividade entre 25 esportes diferentes.

A quantidade de atividades é mais um avanço desta etapa já que, pelas restrições tanto do equipamento usado como do momento pandêmico, por enquanto as medições foram feitas em corredores.

É possível participar mais de uma vez de estudo, e, a partir de 1º de julho, os dados estarão compilados para que os resultados possam ser vistos e analisados individualmente no longo prazo e também qual vem sendo o impacto em uma escala maior —nas cidades, países e globalmente— no Mapa de Elevação Mundial.

Ainda que seja uma plataforma pública, com essa mensuração disponível, Stubbs diz que a participação é completamente anônima. Mesmo o escaneamento facial não é feito por meio de uma foto —a partir dele, é gerado um mapa do rosto no qual não é possível identificar a pessoa.

Demonstração do escaneamento facial feito pela plataforma da Asics (Divulgação)
Demonstração do escaneamento facial feito pela plataforma da Asics (Divulgação)

“Esta é uma tecnologia realmente nova, cada vez mais usada na ciência, para entender a expressão das emoções”, explica o pesquisador. “É realmente um software excelente para identificar emoções comuns, e validamos essas emoções expressas no rosto com os dados do eletroencefalograma e o relatório pessoal.”

O estudo vem em um momento em que a saúde mental ganhou ainda mais relevância na vida das pessoas, impactadas pelo isolamento social gerado pela pandemia de coronavírus há mais de um ano. Levantamento do Estudo Colaborativo de Resultados em Saúde e Funcionamento durante Tempos de Infecção (Coh-fit, na sigla em inglês) apontam um aumento de 50% nos níveis de estresse e até de 100% nos de ansiedade desde o início da crise sanitária.

“Então a necessidade de soluções escaláveis e baseadas em evidências para ajudar as pessoas a se sentirem melhor é agora mais importante do que nunca”, diz Stubbs.

Como participar
  1. Acesse o site e cadastre-se
  2. Escaneie seu rosto para registrar seu estado emocional
  3. Responda às perguntas desenvolvidas cientificamente para medir suas funções cerebrais
  4. Conclua pelo menos 20 minutos de exercício
  5. Repita os passos 2 e 3
  6. Veja os resultados do Mind Uplifter (o compartilhamento em redes sociais está disponível)
  7. Descubra como seus resultados estão contribuindo para o World Uplift Map (disponível a partir de 1º de julho)

Fonte