Depois de alguns milhares de anos, o ouro tem um concorrente no posto de moeda de reserva de valor. Isso após o metal dourado enfrentar concorrências que tentaram chegar perto de sua hegemonia. Porém, nunca nenhum desses concorrentes assumiu o posto que o ouro tem para a economia mundial. Até a chegada das criptomoedas.

Mas, afinal, o que são as criptomoedas?
Elas podem ser definidas como ativos  que se utilizam da tecnologia de blockchain para garantir sua mobilidade de segurança para serem transacionados na internet. E assim é como vão se tornando uma opção cada vez mais relevante de investimentos e reserva de mercado por conta de sua portabilidade e fundibilidade.

“As criptomoedas são barras de ouro que podem ser enviadas por fibra óptica,” diz Salim Kerbage, sócio e CTO da Hashdex. “As criptos tem propriedades de reserva de valor melhor que o ouro, como portabilidade e  fundibilidade. O ouro só se sai melhor que as criptos no quesito de durabilidade. Em outros aspectos as moedas digitais são tão boas ou melhores que o ouro.”

Salim vai se aprofundar no tema das criptomoedas no curso gratuito O Triunfo Inevitável do Ouro Digital, onde ensinará sobre como se posicionar no mercado de criptomoedas e se proteger das grandes volatilidades do setor. Clique aqui para se inscrever.

Porém, dentro de um universo de mais de 6 mil moedas digitais correntes, como saber o que não passa de uma brincadeira que foi longe demais – caso da Doge Coin e da Vira-Lata Finance (REAU) – e o que é um ativo sério que pode levar o investidor a ótimos rendimentos?

“98% das criptomoedas não prestam e não são ativos de valor,” diz a analista de criptoativos e engenheira de software Fernanda Guardian. “ É muito simples lançar uma moeda digital para quem é formado em TI, por isso tem um monte no mercado e poucas são confiáveis.”

Quais as perguntas a serem feitas na hora de escolher um criptoativo para investir?

Por conta da alta oferta e número baixo de moedas realmente confiáveis, montamos uma lista dos aspectos a serem analisados antes de comprarcriptomoedas:

  1. Analise uma criptomoeda como se analisa uma empresa
    Salim Kerbage defende que analisar uma criptomoeda é como analisar uma empresa.“Uma criptomoeda confiável precisa estar listada em exchanges sérias e reguladas. A moeda precisa ter transparência, descentralização e um código fonte auditado por autoridades externas. Importante lembrar que não é porque um ativo ganhou valor que é um bom investimento,” disse o CTO da Hashdex.
  2. Tem empresa por trás?
    Fernando Guardian relembra que muitas criptomoedas são lançadas por empresas e que esses ativos têm mais chances de terem bons retornos por passarem por processos internos. Além disso, é possível analisar o balanço da empresa controladora do criptoativo para saber sobre a liquidez e lastro da moeda.
  3. Cuidado com as histórias bonitas
    Vinicius Frias, CEO do Alter, alerta para o perigo de um bom storytelling que esconde esquemas fraudulentos e pessoas realizando pump and dump – quando se infla o valor de determinado ativo artificialmente para depois vendê-lo.“Tem muita moeda fraudulenta que criam para fazer pump and dump. Criam toda uma história bonita e complexa para vender o projeto, atraem compradores que sobem o valor das ações para então os criadores da moeda venderem suas posições. Isso foi comum em 2017 e voltou agora com o hype das criptomoedas,” disse Frias.
  4. A moeda tem função?
    O CEO das Alter destaca também que é preciso entender as utilidades da moeda para entender se ela é séria ou não passa de uma brincadeira ou golpe.“A moeda tem aplicação? Algum case de uso como o Bitcoin em relação ao seu uso como reserva de valor ou o Ethereum, onde se pode construir outras funcionalidades dentro do seu sistema?”A lógica é de que quanto mais importante for a função da moeda, mais pessoas vão continuar a usá-las.
  5. Tem cripto fazendo a mesma coisa?

    Fernando Guardian corrobora com a análise de Frias sobre a função do ativo e diz que para uma criptomoeda ser confiável é preciso que ela resolva algo. Mas e se já tiver outra moeda desempenhando a mesma função? Nesse caso, Guardian diz para ligar o sinal de alerta em relação ao ativo pois a moeda tem sua função diminuída.
  6. Capitalização
    Em um mercado marcado pela volatilidade, entender o fluxo das movimentações financeiras é fundamental para saber se uma moeda é um bom investimento. Vinicius Frias diz que um fator importante é o da capitalização de mercado da criptomoeda, que é calculado pelo preço vezes o volume. “Não tem problema se esse índice for baixo, mas isso já liga um sinal de alerta.”Se o valor for alto é porque há um bom número de pessoas transacionando a moeda a preços equilibrados no mercado.

Se você se interessou em investir nos criptoativos, assista à Masterclass gratuita O Triunfo Inevitável do Ouro Digital.



Fonte