Plenário da Câmara durante sessão do Congresso
Plenário da Câmara dos Deputados (Foto: Beto Barata/Agência Senado)

(Bloomberg) — Técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU) que acompanham a confusão em torno da lei orçamentária de 2021 avaliam a possibilidade de incluir o tema no processo das contas do governo do presidente Jair Bolsonaro deste ano, relatadas pelo ministro Aroldo Cedraz.

A ideia inicial era que o assunto ficasse com o ministro Bruno Dantas, que relata um processo sobre o impacto da pandemia nas contas do governo. Mas se for incluído na avaliação das contas deste ano, o debate pode se aprofundar na condução da política fiscal, criando um desgaste político e trazendo de volta a memória amarga do que ocorreu com a ex-presidente Dilma Rousseff, afirma uma pessoa com conhecimento do assunto.

Sem solução fácil

A lei orçamentária de 2021 foi aprovada pelo Congresso prevendo uma redução artificial das despesas obrigatórias com Previdência Social para turbinar emendas parlamentares. Isso tornou o orçamento inexequível e indica um possível furo no teto de gastos mais adiante.

Inscreva-se aqui.



Fonte