SÃO PAULO – A Cosan (CSAN3), junto com a Cosan Logística (RLOG3) e Cosan Limited (CZZ), anunciaram na noite desta sexta-feira (3) que seus Conselhos de Administração aprovaram o início do estudo de uma proposta de reorganização societária que será submetida à aprovação dos acionistas.

Em comunicado, elas informaram que, uma vez aprovada, a proposta consolidará a Cosan como única holding de todo o grupo. “Tal reestruturação societária tem como objetivo simplificar a estrutura do Grupo Cosan, unificando e consolidando os diversos free floats das companhias, aumentando a liquidez de seus valores mobiliários, bem como destravando valor que existe dentro do Grupo Cosan”, diz o documento.

De acordo com o comunicado, a reorganização societária consistirá na incorporação de sociedades sob controle comum, pela qual CZZ e Cosan Log serão incorporadas na Cosan.

Com a conclusão do negócio, as ações da Cosan passarão a ser detidas diretamente por todos os acionistas de Cosan, CZZ e Cosan Log que permanecerem acionistas até a aprovação do negócio, sendo que a empresa continuará a ser controlada pela Aguassanta, veículo de investimento da família de Rubens Ometto Silveira Mello.

Além disso, a proposta inclui a emissão de novas ações ou American Depositary Shares(ADRs) da Cosan para os acionistas que tiverem ativos da CZZ negociados em Nova York. No caso da Cosan Log, após a conclusão do negócio, os acionistas que tiverem ações RLOG3 passarão a ter ativos da Cosan, que por sua vez passa a ser acionista controladora direta da Rumo (RAIL3).

Diante desta reestruturação, a Cosan informou ainda que pretende preparar suas principais subsidiárias e companhias co-controladas para eventuais ofertas públicas iniciais de ações (IPOs).

“A viabilidade e o momento das potenciais ofertas de cada companhia são diferentes e a efetiva listagem dependerá de inúmeras condições que poderão ser alheias à vontade de Cosan. No entanto, nossa intenção é estarmos preparados caso tais condições sejam satisfeitas”, explicou a empresa no comunicado.

Segundo a companhia, a operação só será concluída se o valor destinado ao direito de retirada dos acionistas da Cosan Log não prejudicar a estabilidade financeira da Cosan, sendo estabelecido um valor fixo máximo para o exercício do direito de retirada. Os acionistas da Cosan e CZZ não terão direito de retirada.

As companhias estimam que a operação seja concluída em aproximadamente 180 dias. Apesar disso ela dependerá de aprovações societárias e regulatórias incluindo CVM, Securities and Exchange Commission (SEC), credores e fornecedores das companhias e de suas afiliadas.

Por fim, a Cosan marcou para a próxima segunda-feira (6), às 14 horas, uma teleconferência para dar maiores detalhes sobre a operação

O passo a passo para trabalhar no mercado financeiro foi revelado: assista nesta série gratuita do InfoMoney



Fonte